Sustentabilidade e o Branding

Bônus de emissão de carbono na atmosfera, impressos corporativos em papel reciclado, plantio de árvores e troca da frota por automóveis movidos a gás natural. Muitas empresas estão tomando atitudes conhecidas como “sustentáveis” nos dias de hoje e os motivos para isso são diversos: pressão da sociedade, melhoria na imagem da marca e, em alguns casos, a própria política da empresa.

Ações como essas são importantes para a empresa e o meio ambiente. Porém, podem ser de fácil resolução e investimento e, muitas vezes. encobrir uma inclinação do próprio negócio a atitudes mais pontuais e benéficas para a sociedade, com impacto maior a longo prazo. Tudo isso tem a ver com a gestão da marca.

Com a constante utilização do termo sustentabilidade na comunicacão das empresas, ele já não tem o valor que possuía há alguns anos. Anúncios  em TV com mensagens sobre o plantio de árvores e correspondências em papel reciclado já não comovem mais as pessoas como antes. As empresas, independente de seus mercados de atuação, investem em soluções muito parecidas e, portanto, superficiais. O gestor de marca deve observar o core business da empresa e buscar soluções de melhoria na qualidade de vida, no meio ambiente, na sociedade e no planeta onde vivemos através do knowhow adquirido pelo negócio. Para isso, investimentos em tecnologia e pesquisa podem garantir não só a sustentabilidade do negócio, mas a sua própria sobrevivência em um mercado futuro. Desta forma, a associação da marca com a responsabilidade social, ambiental, econômica, entre outras, pode ser mais relevante e crível para os consumidores.

Considero as ações citadas no começo do texto importantes e elas não devem ser descartadas pela empresa. Porém, não devem se tornar o diferencial da comunicação nem um valor fundamental, salvo as companhias onde estas medidas podem se tornar um fator diferencial para a marca e importante para o meio ambiente. Para uma empresa de transportes e logística, por exemplo, uma frota de veículos movidos a gás natural, além de poluir menos, pode diminuir consideravelmente o preço final do serviço, por utilizar um combustível mais barato.

Portanto, uma empresa não deve mudar o foco nem o escopo do seu core business, mas agregar a ele atributos de responsabilidade social ou sustentabilidade relevantes de maneira natural, transparente e, principalmente, verdadeira.

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.